Nova Iorque

A cidade de Nova Iorque

Os distritos que a compõem são os seguintes: Bronx, Brooklyn, Manhattan, Queens e Staten Island. Contudo geralmente quando se fala de Nova Iorque estamos nos referindo a sobre Manhattan.

Observação: Manhattan tem 58.8 km2, com 21.6 km de comprimento e 3.7 km de largura, e basicamente se divide em quatro áreas maiores: East Side, West Side, Uptown e Downtown. Para se localizar é bom saber que as avenidas vão do norte para o sul, sendo que a 1st Avenue começa em East Side e vai até a 12th Avenue. Já as ruas começam de leste para oeste, sendo que a distância entre as ruas é muito menor do que entre as avenidas.

Dentre os seus pontos turísticos internacionamente conhecidos sobressai-se a Estátua da Liberdade, Ellis Island, Central Park, Wall Street, Empire State Building, Chrysler Building, dentre outros tantos que iremos abordar pormenorizadamente no Viajando para Nova Iorque.

patrocinadores

Reserva de Hotéis - Orlando Tickets Online Seguro Viagem Allianz

Também impossível deixar de citar as famosas torres gêmeas do World Trade Center que após o atentado de 11 de setembro de 2001 foram destruídas passando o local a ser conhecido como “Ground Zero” que está sendo reconstruído.

Os nova iorquinos geralmente se valem dos transportes públicos – que funcionam 24 (vinte e quatro) horas por dias – uma vez que devido a enorme população a locomoção de automóvel – ao contrário de outras cidades americanas – é muito difícil. Para maiores informações sobre como dirigir em Nova Iorque

Dica: Se você estiver com tempo a melhor forma de conhecer a cidade é a pé e de metrô. Contudo, existem serviços, como é o caso da empresa Gray Line New York Sightseeing que lhe levam para um passeio guiado – num ônibus de 02 andares por toda da cidade. É possível adquirir os ingressos com antecedência pela Internet ou mesmo quando estiver em Nova Iorque, uma vez que encontrará vendedores espalhados por todos os pontos da cidade.

Dica: Com relação ao metrô importante destacar que caso pretenda utilizá-lo várias vezes é interessante que adquira o cartão chamado MetroCard que é em máquinas automáticas “MetroCard Vending Machines” existentes nas estações e também nas bilheterias. Você pode utilizar o cartão para acesso ao metrô. Para maiores informações.

 

A sua história

 

No século XVI o navegador e comerciante Giovanni da Verrazano, chegou nonde atualmente é o porto de Nova Iorque em 15 de abril de 1524 sendo que somente em 1609 é que o navegante inglês Henry Hudson (a trabalho para a Companhia Holandesa das Índias Orientais) começou a explorar a localidade e a povoar a região.

Em 1626 Peter Minuit comprou a ilha de Manhattan por uma quantia irrisória dos indígenas – nativos americanos – e construíram a cidade que foi inicialmente chamada de Nova Amsterdam, que cresceu vagarosamente.

Peter Stuyvesant em 1647 assumiu o cargo de governador uma vez que a região estava sendo dominada por bandidos.

Já em meados de 1664 por ordem do rei Carlos II da Inglaterra os inglesas tomaram o território dos holandeses tornando-se – o coronel Richard Nicolls – o governador. Posteriormente, Nova Iorque tornou ao domínio holandês por conta da guerra travada entre Holanda e Inglaterra, mas o Tratado de Westminster fez com que fosse novamente devolvida aos ingleses.

Durante esse período surgiu a primeira faculdade a King’s College (atualmente – Columbia University) fundada em 1754 e tinha por objetivo promover os ensinamentos anglicanos.

Na data de 17 de março de 1756 foi celebrado o Dia de São Patrício feriado este que tem tem influência dos imigrantes Irlandeses, quando as pessoas desfilam numa parada pelas ruas todas trajando roupas verdes.

Em 1765 foi aprovada a Lei do Selo pelo Parlamento de Londes que tributava casamentos e outros itens que por conta do protesto levado a efeito foi revogada em 1766.

Ainda em março de 1766 Nova Iorque se uniu a luta que levou a Revolução Americana, serviu de quartel-general para os britânicos, mas os patriotas lutaram muito. O general George Washington obrigou britânico William Howe a evacuar Boston e ato contínou seguiu para Manhattan onde chegou em 13 de abril quando passaram a ser eregidos os fortes de Brooklyn Heights e Lower Manhattan.

Em 1773, o Parlamento Britânico aprovou a chamada Lei do Chá conferindo exclusividade a Companhia das Índicas Orientais sobre todo o chá comercializado em suas colônias. Isso despertou a revolta dos denominados Manhattan Sons of Liberty que iniciaram uma campanha para que o público rejeitasse o monopólio do chá estabelecido. No dia 16 de dezembro de 1773 foi realizada a Boston Tea Party, onde homens disfarçados de índios mahawks arremessaram inúmeras caixas de chá no porto de Boston o que ocasionou o fechamento do decantado porto. Em 22 de abril de 1774 foi a vez dos nova-iorquinos fazerem a sua Tea Party ocasião em que arremessaram 18 caixas de chá na baía.

A Declaração de Independência dos Estados Unidos da América do Norte foi lida em Bowling Green na data de 09 de julho de 1776, e os 20.000 soldados do general Howe surpreenderam os 7.000 soldados de Washington ficando a cidade sob o controle britânico até o final da guerra. No entanto, após o final da gerra, em 25 de novembro de 1783 George Washington entrou em Nova Iorque dando adeus as suas tropas em frente a Fraunces Taverna (Pearl Street nº.54), retornando a sua casa em Mount Vernon (Virgínia).

De janeiro de 1785 a 1790, Nova Iorque foi eleita a capital temporária dos Estados Unidos da América do Norte e o general George Washington seu o primeiro Presidente em 1789.

A partir daí Nova Iorque cresceu rapidamente em decorrência de uma posição geográfica previlegiada sendo inclusive criada já em 1792 a bolsa de valores de Nova Iorque, na tão famosa Wall Street. Em 1800 Nova Iorque já era considerada a maior cidade dos Estados Unidos.

Em 1811, com o objetivo de evitar o crescimento desordenado, restou decidido adotar o sistema de grades onde toda via pública teria que seguir em linhas paralelas, sendo no sentido sentido norte-sul as suas avenidas e no sentido leste-oeste as suas ruas.

Mais e mais imigrantes desembarcavam em Nova Iorque a cada dia, sendo a maioria proveniente de países como Irlanda, Inglaterra, Itália, Alemanha, Suécia, Noruega, Dinamarca, etc.

Não foram poucos os conflitos e epidemias que assolaram Nova Iorque no início do século XIX. Por ocasião da Guerra de 1812 travada entre os Estados Unidos e a Grã-Bretanha, Nova Iorque teve o seu porto bloqueado, sendo que apenas 10 anos depois, foi a vez de uma epidemia de febre amarela dizimar uma enorme quantidade de nova-iorquinos. Em 1832 aproximadamente 4.000 (quatro mil) habitantes vieram a falecer por conta de uma epidemia de cólera.

Nova Iorque também sofreu dois grandes incêndios, o primeiro deles em 1835 que estima-se ter tornado pó mais de 700 (setecentos) prédios e outro em 1845.

Ao tratar da história de Nova Iorque também não se pode deixar de falar sobre o Erie Canal, canal construído com o objetivo de ligar o rio Hudson aos Grandes Lagos e que apesar do alto custo da sua construção, foi muito importante para o desenvolvimento de toda a região fazendo florescer um grande número de estabelecimentos ao longo do porto, facilitando o transporte de mercadorias enviadas do mundo todo para o interior do país.

Em 1883 foi inaugurada a famosa Brooklyn Bridge que ligou a ilha de Manhattan com o Brooklyn, sendo que em 1898 Brooklyn, Bronx, Queens e Staten Island já estavam todas interligadas a Manhattan, formando-se assim Nova Iorque. Em 1889 inaugurou-se a Washington Bridge.

A Estátua da Liberdade foi um presente dado pelo Ministro da França – Levi Parsons – em 04 de julho de 1884 com o objetivo de representar a união Franco-Americano e foi terminada em 28 de outubro de 1886. Todos os imigrantes que chegavam avistam ao longe a Estátua simbolizando que tinham chegado a América. Não por outro motivo está inscrito nela “Give me your tired, your poor, your huddled masses yearning to breathe free” (algo como “Dá-me os seus fatigados, os seus pobres, suas massas encurraladas ansiosas por respirar liberdade”).

Em 1902 começaram a ser construídos os primeiros arranha-céus na cidade, destacando-se o Flatiron. Posteriormente a Lei Seca fez surgir em Nova Iorque muitos pontos de venda de bebida clandestina.

Como não falar sobre o metrô de Nova Iorque, cuja primeira linha foi inaugurada em 1904 e contava com 35 (trinta e cinco) quilômetros de extensão. O sucesso foi tamanho que foi expandido imediatamente. Atualmente o metrô conta com 1.062 (mil e sessenta e dois) quilômetros com um total de 25 linhas em operação.

Em 1929 ocorre a famosa Quebra da Bolsa de Valores de Nova Iorque, trágico acontecimento até hoje muito lembrado e estudado em nossas escolas dada a sua repercussão mundial. Nos anos seguintes a Grande Depressão ainda foram construídos grandes arranha-céus em Manhattan como é o caso do Chrysler Building e do Empire State Building.

Após a Grande Depressão a Grande Nova Iorque começou a se reerguer, por conta de problemas como criminalidade, baixa renda, conflitos raciais, greves, crises financeiras, etc. Contudo, mesmo com todas as adversidades a cidade sempre conseguiu se reerguer e a arte, a cultura e a música também sempre fizeram parte do seu cenário. Bom que se dica que a construção do Lincoln Center também se mostrou muito importante para o desenvolvimento da música e do teatro.

Infelizmente o aumento da pobreza e dos sem-tetos foi significativa na década de 1980, somente melhorando as perpectivas quando a cidade ficou sujeita a administração do prefeito Rudolph Giuliani que conseguiu melhorar a economia e baixar a taxa de criminalidade. Aliás, é graças a Giuliani que hoje podemos passar pelas imediações do Time Square tranqüilos, pois foi ele que fechou inúmeras casas de jogos e prostituição que ficavam naquela região prejudicando de sobremaneira a reputação de midtown.

E na década de 1990 até os dias de hoje a cidade está crescendo cada dia mais, e as suas taxas de criminalidade vem reduzindo ano a ano.

 

Os bairros de Nova Iorque

 

Cada distrito (Manhattan, Brooklyn, Bronx, Queens e Staten Island) e bairro tem as suas características próprias, sua história, cultura, arquitetura, de maneira que você consegue facilmente perceber enquanto circula pela cidade. E os próprios residentes – que são muito apegado as tradições dos seus bairros – sabem se identificar.

Eis alguns bairros de Manhattan:

Alphabet City – bairro localizado entre as avenidas A, B, C e D, entre as ruas Houston e 14th.
Battery Park City – fica em Lower Manhattan, é possível avistar a Estátua da Liberdade bem como visitar a área do “Ground Zero”, onde antigamente estava as torres gêmeas do World Trade Center.
Bowery – outra região que antigamente era mal-freqüentada e atualmente está muito valorizada. Fica próximo a Chinatown e East Village.
Carnegie Hill – vai da 86th Street a 96th Street entre a Fifth Avenue e a Tird Avenue, também mostra-se como um bairro residencial chique.
Chelsea – região popular entre a comunidade gay, vai da 14th Street até a 30th Street.
Chinatown – Chinatown é uma das regiões de Manhattan que mais cresceu, iniciando com apenas oito quarteirões em 1840 e atualmente com quase trinta. Esta região está repleta de restaurantes, aliás, aproximadamente 300 (trezentos).
Civic Center – é onde está ficam a imigração, a polícia e o fórum.
Clinton – Hell’s Kitchen – vai da 42th Street até a 59th Street e é conhecida como “Hell’s Kitchen” pois abrigava matadouros e fábricas, mas hoje não mais.
East Harlem – Spanish Harlem – fica localizada entre a 96th Street e a 142nd Street (entre o Park Avenue e o rio East) é uma área onde se encontra muitos hispânicos, porto-riquenhos, italianos e afro-americanos.
East Village – é uma continuação de Lower East Side e atualmente vem sendo tomadas por novos bares e restaurantes.
Financial District – é uma das regiões mais antigas da cidade e onde está localizada a Wall Street.
Greenwich Village – West Village – entre a Houston Street, e a 14th Street, está esse tão famoso bairro de Nova Iorque. O Village está dividido em duas áreas distintas: East Village e West Village. O primeiro está repleto de artistas, executivos, é uma área charmosa e mista de Manhattan. Já em West Village você encontra construções históricas, restaurantes, clubes noturnos.
Gramercy Park – é uma área residencial que vai da 18th Street até a 23rd Street, bem como do Park Avenue South até a Third Avenue.
Harlem – vai da 110th Street até o rio Harlem (entre a Fifth Avenue e St. Nicholas Avenue) neste bairro está a comunidade afro-americana, conta com muitos clubes de jazz, igrejas e restaurantes.
Lincoln Square – é uma praça formada ao redor do Lincoln Center, freqüentada por empresários bem sucedidos, conta com muitos bares, restaurantes e lojas.
Little Italy – próximo de Chinatown – Mulberry Street – está o bairro de Little Italy que também prima pelos seus restaurantes, pela sua massa, pizzas e sorvetes.
Lower East Side – vai da 14th Street até a Fulton, abrange Chinatown, Little Italy e East Village.
Meatpacking District – esse bairro fica localizado entre o West Village e Chelsea. Atualmente está sendo modernizado e muitos bares, clubles noturnos e restaurantes estão surgindo.
Midtown – é o centro comercial de Manhattan – 34th Street (vai de 34th Street até a 40th Street e da Madison Avenue e a Third Avenue), onde você encontra lojas famosas, restaurantes e outras atrações.
Morningside Heights – é a região de Manhattan onde está a Columbia University, Barnard, Teachers College e a Cthedral of St. John the Divine.
Murray Hill – é um bairro residencial que se extende da 34th Street até a 40th Street.
Nolita – significa North of Little Italy (“Norte de Little Italy”) é uma região com pequenas ruas e fica próxima a St. Patrick’s Cathedral.
Soho – que significa South of Houston Street (“sul da Houston Street”) é uma das regiões mais famosas de Manhattan composta por quse vinte quarteirões, foram os artistas que começaram a mudar para o Soho ocupando espaços que anteriormente serviam para fábricas e armazéns. Assim, esses artistas passaram a residir em lofts e a criar moda.
Times Square – Theater District – graças ao prefeito Rudolph Giuliani você não encontra mais casas de jogos e prostituição nesta região que fica localizada ao redor da 42th Street, mas sim muitas lojas, Toys’n’Us, os teatros, hotéis, enfim, essa região é bem movimentada.
Tribeca – que significa Trangle Below Canal (“triângulo abaixo da Canal Street”), era uma área industrial e hoje é composta por restaurantes e clubes noturnos.
Union Square – Flatiron District – é um bairro que vai a região do Flatiron Building (22nd Street) até o Madison Square, com muitos restaurantes e boates.
Upper East Side – vai da 59th Street até a 96th Street (faixa da Fifth Avenue ao rio East) é uma área muito valorizada, com muitos clubes, restaurantes, galerias e residências.
Upper West Side – bairro que vai da 59th Street até a 125th Street (entre o rio Hudson e Central Park West). É nessa região que está o Museum of Natural History (“Museu da História Natural”).
Washington Heights – Inwood – é uma região composta pela comunidade dominicana.
Yorkville – região entre a Lexington Avenue e a Third Avenue na área da 86th Street, conta com muitos edifícios residenciais.